“Olha cá, meu irmão”, oração inspirada em São Francisco


Para melhor respirar e melhor viver

Transcrevemos aqui uma oração que se apresenta sob a forma de mensagem de São Francisco de Assis. Foi formulada com um vocabulário moderno abordando, no entanto, os temas que animavam a vida de Francisco. Nesta página não pedimos nada a Deus por intermédio de São Francisco. Ele é que nos dirige uma série de pedidos. Atendendo a esses apelos do Poverello estaremos criando um clima de não violência. Hoje, como nunca, Francisco é tido como homem da paz.

Sei, meu irmão, sei perfeitamente que estás coberto de razões e motivos para desesperar, para desanimar.
Gostaria, no entanto, de te dizer em alta voz, quase aos gritos que não te faltam razões para esperar!

Não permitas que teu coração seja sufocado com as marés escuras das más notícias. Para que possas mudar o mundo, muda antes de mais nada teu próprio olhar. Eu, Frei Francisco, teu pequeno servo peço-te e suplico-te: Olha o mundo com os olhos de Cristo Jesus. Ele, nosso Senhor e nosso irmão, soube se dar conta dos mínimos gestos tais como o óbolo de uma pobre viúva e deixar-se encantar por ele.

Meu irmão, procura ver como o Reino do Amor emerge lentamente através de mil pequenos gestos que vão se repetindo, gestos de coragem, de ternura, de corajosas decisões que dizem “não” sem arruaças e
sem troféus, à lógica do dinheiro, do ódio e da indiferença.

Presta bem atenção, ficarás surpreso em descobrir todos esses homens e mulheres, que dia após dia inventam modos novos de viver, de partilhar, de esperar e que desta maneira manifestando que o Reino de Deus está ao alcance da mão.

Presta atenção e vê esse homens e essas mulheres que, em vez de gritar que Deus está cego, emprestam-lhe seus próprios olhos; em vez de dizer que Deus é maneta, emprestam-lhe suas mãos; em vez de dizer que Deus é mudo, emprestam-lhe sua voz. Ouve o chamado Daquele que ora porque o Amor não é amado.

Reveste-te pela força oculta de nosso Altíssimo e Bom Senhor. O mundo atual necessita reencontrar o “olhar do coração” e colher as flores da esperança para melhor respirar e melhor viver.

Fonte: Revista Prier, n. 85, out. 1986.