Paróquia realiza Trânsito de São Francisco e renovação dos votos da OFS

Realizamos neste sábado, dia 03 de outubro de 2020, o Trânsito de São Francisco, costume que encerra o mistério da vida, morte e ressurreição. Um momento em que nos unimos para meditar sobre a passagem de São Francisco de Assis.

Junto ao Trânsito, também celebramos a renovação dos votos dos irmãos da Ordem Secular Franciscana e os votos provisórios de dez aspirantes.

“Lá estava ele deitado, atleta nu, sobre a terra e na poeira, a mão levada à chaga do lado direito para ocultá-la aos olhares dos presentes, fixando o céu, como gostava de fazer, fisionomia tranquila e aspirando com todas as veras de sua alma à glória eterna. Começou então a louvar o Altíssimo por tanta glória: a de ir para ele inteiramente livre, desembaraçado de tudo.”

A narração do trânsito tocou o coração de todos que tão atentamente a ouviam. Um momento importante, onde a completa entrega de São Francisco nos faz pensar sobre tudo que vivenciamos este ano. Vislumbramos os entes queridos e todos aqueles que não conhecíamos, mas que tomaram nosso pesar ao partir pela Covid-19.

Foi seguindo esta linha que Frei Daniel iniciou a homilia. Quantas vidas foram perdidas durante esta pandemia, quantas famílias sofreram e ainda sofrem com a dor do luto? Mas a morte é algo inevitável, e nada mais do que uma passagem para a vida eterna ao lado do Senhor. É o consolo de estar no abraço afetuoso de nosso Pai que nos conforta.

Sendo assim, seguindo o exemplo de São Francisco, Frei Daniel chama nossa atenção para o quanto deveríamos nos preparar para este momento. Para a perfeita alegria que é entregar-se de corpo e alma para o Amor.

Instantes antes de sua morte, São Francisco entoou o salmo 141. E para representar este momento, os fiéis ali presentes acenderam suas velas em vigília e se puseram em silêncio, ouvindo o ressoar do salmo.

“Ó Alma Santíssima, em cujo passamento acorrem os cidadãos dos céus, os coros dos anjos exultam e a gloriosa Trindade convida, dizendo: permanece conosco para sempre.”

As velas foram apagadas e a comunidade cantou em uníssimo a canção “Quando o fogo do amor ardeu no peito”, enquanto Frei Daniel incensava a imagem de São Francisco. Os dez irmãos da OFS que professaram seus votos provisórios subiram em seguida junto ao altar e, cada um, pronunciando seu nome, fez uma promessa de comprometimento e de colocar seus dons e sua dedicação à disposição da Ordem.

Dentre os dez professantes, quatro são membros da mesma família. Mãe, pai, filho e filha, fizeram seus votos juntos. “É uma felicidade, um orgulho para mim, ter toda a minha família professando juntos, participando de algo tão incrível quanto a OFS.” Afirmou Valdemir, o pai da família.

Depois, os irmãos da ordem que professaram seus votos há 16 anos, reuniram-se para fazer a renovação. “Hoje eu acordei feliz, muito feliz, depois de renovar nossos votos ontem.” Comenta o irmão Márcio, na manhã seguinte ao Trânsito. “É sempre uma alegria celebrar São Francisco de Assis. Pois é isso que ele nos ensina, a vivermos a vida com alegria.”

A celebração se encerrou com a benção final, dada por Frei Daniel, e a cantoria da Oração de São Francisco. Em uma noite onde tanto meditamos sobre a morte e a passagem, esta música nos faz pensar na maneira mais plena e bonita de se viver a vida.

“Onde houver ódio, que eu leve o amor.
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão.
Onde houver discórdia, que eu leve a união.
Onde houver dúvidas, que eu leve a fé.
Onde houver erro, que eu leve a verdade.
Onde houver desespero, que eu leve a esperança.
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria.
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
Ó Mestre, fazei que eu procure mais:
consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe.
É perdoando que se é perdoado.
E é morrendo que se vive para a vida eterna.”

PASCOM Santa Inês