Liturgia Diária

2ª-FEIRA DA 21ª SEMANA - TEMPO COMUM

O nome de nosso Senhor Jesus Cristo
será glorificado em vós, e vós nele.
Início da Segunda Carta de São Paulo aos Tessalonicenses 1, 1-5. 11b-12
Paulo, Silvano e Timóteo, à igreja dos tessalonicenses reunida em Deus nosso Pai e no Senhor Jesus Cristo:
a vós, graça e paz da parte de Deus Pai e do Senhor Jesus Cristo.
Devemos agradecer sempre por vós, irmãos, com toda justiça, porque progredis sempre mais na fé e porque aumenta a caridade que tendes uns para com os outros.
Assim, nos gloriamos nas igrejas de Deus por causa da vossa perseverança e da vossa fé em todas as perseguições e sofrimentos que suportais.
Estes constituem um sinal do justo juízo de Deus, pois servem para serdes julgados dignos do reino de Deus, pelo qual também estais sofrendo.
Que o nosso Deus vos faça dignos da sua vocação. Que ele, por seu poder, realize todo o bem que desejais e torne ativa a vossa fé.
Assim o nome de nosso Senhor Jesus Cristo será glorificado em vós, e vós nele, em virtude da graça do nosso Deus e do Senhor Jesus Cristo.
Palavra do Senhor.
Anunciai as maravilhas do Senhor entre todas as nações!
Cantai ao Senhor Deus um canto novo, / cantai ao Senhor Deus, ó terra inteira! Cantai e bendizei seu santo nome!
R.
Dia após dia anunciai sua salvação, manifestai a sua glória entre as nações, / e entre os povos do universo seus prodígios!
R.
pois Deus é grande e muito digno de louvor, / é mais terrível e maior que os outros deuses, porque um nada são os deuses dos pagãos. / Foi o Senhor e nosso Deus quem fez os céus.
R.
Ai de vós, guias cegos!
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 23, 13-22
Naquele tempo, disse Jesus:
Ai de vós, mestres da Lei e fariseus hipócritas! Vós fechais o Reino dos Céus aos homens. Vós porém não entrais, nem deixais entrar aqueles que o desejam.
Aí de vós, mestres da Lei e fariseus hipócritas! Vós percorreis o mar e a terra para converter alguém, e quando o conseguis, o tornais merecedor do inferno, duas vezes pior do que vós.
Ai de vós, guias cegos! Vós dizeis: 'Se alguém jura pelo Templo, não vale; mas, se alguém jura pelo ouro do Templo, então vale!'
Insensatos e cegos! O que vale mais: o ouro ou o Templo que santifica o ouro?
Vós dizeis também: 'Se alguém jura pelo altar, não vale; mas, se alguém jura pela oferta que está sobre o altar, então vale!'
Cegos! O que vale mais: a oferta, ou o altar que santifica a oferta?
Com efeito, quem jura pelo altar, jura por ele e por tudo o que está sobre ele.
E quem jura pelo Templo, jura por ele e por Deus que habita no Templo.
E quem jura pelo céu, jura pelo trono de Deus e por aquele que nele está sentado.
Palavra da Salvação.

SANTA MÔNICA - SANTORAL

Como o sol que se levanta nas alturas do Senhor,
assim o encanto da boa esposa na casa bem ordenada.
Leitura do Livro do Eclesiástico 26, 1-4. 16-21 (gr. 1-4. 13-16)
Feliz o marido que tem uma boa esposa: o número de seus dias será duplicado.
A mulher virtuosa é a alegria do marido, que passará em paz os anos de sua vida.
Uma boa esposa é uma herança excelente, reservada aos que temem o Senhor.
Rico ou pobre, seu marido tem alegria no coração, e em qualquer circunstância mostra um rosto prazenteiro.
A graça da mulher é a delícia do marido
e seu senso prático lhe revigora os ossos.
Mulher amiga do silêncio é dom do Senhor e nada é comparável à alma bem educada.
Mulher pudica é graça primorosa,
e não há medida que determine o valor da alma casta.
Como o sol que se levanta nas alturas do Senhor, assim o encanto da boa esposa na casa bem ordenada.
Palavra do Senhor.
Guardai-me, em paz, junto a vós, ó Senhor!
Senhor, meu coração não é orgulhoso, / nem se eleva arrogante o meu olhar; / não ando à procura de grandezas, / nem tenho pretensões ambiciosas!
R.
Fiz calar e sossegar a minha alma; / ela está em grande paz dentro de mim, / como a criança bem tranqüila, amamentada / no regaço acolhedor de sua mãe.
R.
Confia no Senhor, ó Israel, / desde agora e por toda a eternidade!
R.
Jovem, eu te ordeno, levanta-te!
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 7, 11-17
Naquele tempo:
Jesus dirigiu-se a uma cidade chamada Naim. Com ele iam seus discípulos e uma grande multidão.
Quando chegou à porta da cidade, eis que levavam um defunto, filho único; e sua mãe era viúva. Grande multidão da cidade a acompanhava.
Ao vê-la, o Senhor sentiu compaixão para com ela e lhe disse: 'Não chores!'
Aproximou-se, tocou o caixão, e os que o carregavam pararam. Então, Jesus disse: 'Jovem, eu te ordeno, levanta-te!'
O que estava morto sentou-se e começou a falar. E Jesus o entregou à sua mãe.
Todos ficaram com muito medo e glorificavam a Deus, dizendo: 'Um grande profeta apareceu entre nós e Deus veio visitar o seu povo. '
E a notícia do fato espalhou-se pela Judéia inteira, e por toda a redondeza.
Palavra da Salvação.